Quando optar por forro de gesso acartonado ou convencional?

Existe uma grande dúvida em muitos clientes e até mesmo em alguns profissionais da área na hora de decidir qual tipo de gesso usar em sua reforma ou construção.

forro gesso acartonado porto alegre

A resposta é simples. Depende! Verifica-se em muitas literaturas, inclusive grande parte delas encontradas na web, as vantagens e desvantagens do uso desse ou daquele tipo de material. Porém, o que se tem visto é que existe muita subjetividade nas comparações, quando não são nitidamente tendenciosas valorizando o produto que se quer vender e deixando assim de esclarecer as informações necessárias para a tomada de decisão do investidor ou até mesmo do projetista.

De maneira simples e objetiva, buscaremos esclarecer pontos importantes de cada material, de maneira que se possa ter informações suficientes para a tomada de decisão na construção ou reforma.

Em primeiro lugar, é necessário definir o que se quer fazer, em seguida, onde se quer fazer, e por fim, como se quer fazer e as particularidades da obra em questão.

 

forro gesso convencional porto alegreDefinir o que será feito é a primeira coisa que norteará a decisão da obra. Ou seja, se o gosto do cliente é do tipo “Clássico”, essa informação nos levará para o gesso convencional, pois este terá melhor acabamento na maioria dos detalhes de molduras de forma, apesar de o gesso acartonado possibilitar muitas decorações e combinações com sancas. Porém, ainda será preciso buscar outras informações para a tomada de decisão, como por exemplo, a estrutura local que vai receber o gesso.

Assim, passamos para outra pergunta importante: onde será feito, ou o local da obra? Como sabemos, tanto o gesso convencional como o gesso acartonado, possuem características particulares e importantes que devem ser combinadas ou levadas em consideração de acordo com as características da obra. Por exemplo, o gesso convencional, como já foi dito, possui um melhor acabamento de molduras e decoração de interiores, podendo ser perfeitamente adaptado em decorações de salas de estar, jantar e dormitórios cujos serviços de sancas e molduras são o relevante da decoração proposta. Porém, sabemos que ele possui um problema de dilatação e não são indicados para lugares em que a temperatura interna sofra variações importantes do ambiente externo. Em outras palavras, se colocarmos uma decoração de gesso convencional em uma sala de um apartamento de tamanho médio, onde a temperatura interna não sofrerá uma drástica variação, ou por climatização artificial ou por características próprias do prédio, e cujas paredes e tetos são de alvenaria em que não haja muita movimentação estrutural, o gesso convencional será uma ótima opção por apresentar um detalhe de acabamento mais aprimorado e por ser mais econômico.

Doravante, se o local do gesso for em uma sala de estar na cobertura, por exemplo, onde a estrutura aparente é madeiramento e existe um alto grau de incidência de calor emitido pelo telhado ou que receba durante o dia muito sol ou calor; ou ainda se durante a noite ou dias de frio a temperatura interna sofra diretamente uma queda influenciada também pela temperatura externa, o gesso convencional não será uma boa indicação pois deverá prever juntas de dilatação, negativos e dependendo de alguns detalhes de molduras coladas, essas deverão ser modificadas para não correr-se o risco de obter problemas estruturais futuros. Porém o gesso acartonado não terá relativamente problemas dessa natureza, podendo inclusive receber tratamento térmico e acústico com Mantas Termo-Acústicas ajudando, assim, a bloquear/amenizar a interferência climática externa.

forro gesso acartonado porto alegreMas se o cliente é do tipo “Clean”, ou seja, se ele tem gosto mais moderno e suas decorações são menos detalhadas, despojadas e sem excessos, optando por projetos mais simples com traços retos e sancas lisas, sem dúvida, o mais indicado é o gesso acartonado, pois nesses casos, o gesso acartonado pode chegar a ser até mais econômico que o gesso convencional.

Outra questão antes de qualquer decisão é: Como se quer fazer a obra? Muitas obras não estão sendo habitadas pelos moradores ou o cliente não se importa com obras ou até mesmo gosta de acompanhar detalhe por detalhe. Também existe o caso de algumas reformas não existir uma cobrança rígida de prazo de entrega ou de cronogramas apertados para a execução. Já noutros casos, o prazo é curtíssimo, o cliente não tem muita paciência com reforma, não suporta sujeira ou transtornos eventuais, como trânsito de pessoal, ferramentas e situações do tipo de ter que chegar em casa cansado e encontrar aquela “tropa”dentro da sua casa!

Outra questão ainda neste quesito é saber se o cliente é do tipo que não está muito preocupado se o teto vai ter moldura lisa ou moldura decorada ou se é sanca invertida, sanca aberta ou sanca fechada. Para este último tipo de cliente, a reforma é apenas uma questão de melhora no conforto ou mais o resultado de uma modernização no layout prevendo climatização, som, lógica e iluminação. Note que neste último caso, o gesso deverá ser aplicado de forma rápida, pois ele não é o efeito principal desejado, ou seja, ele não é um fim em si mesmo, muito pelo contrário, ele será apenas um dos componentes da obra, pois sobre tudo, a obra não foi iniciada porque se gostaria de ter gesso dentro de casa ou escritório, mas ele foi o resultado de uma modernização desejada pelo cliente. Ou seja, aqui o gesso fica sendo apenas um agente facilitador, pois  apesar de ele ser um dos principais elementos da reforma e proporcionar um belíssimo efeito estético, ele apenas desempenhará o papel de solução prática de compatibilização do ambiente reformado através da ocultação dos canos corrugados e eletrodutos de elétrica e lógica, o desaparecimento das linhas de refrigeração e fiação e, por fim, a possibilidade de abertura de pontos de luz em locais específicos de acordo com a necessidade da planta baixa do projeto. Lógico, tudo mais bonito possível!

Nos casos acima, de ausência de urgência ou de habitação, ou ainda de clientes que gostam de acompanhar a obra e os detalhes, o gesso convencional é uma ótima opção. Já nos casos em que a obra deverá ser rápida, com o mínimo de transtorno ou sujeira possível, e quando começar, ela já tem que estar terminando! Logo, sem dúvida nenhuma, a opção é o gesso acartonado, pois este não depende muito de arremates sendo mais rápido e mais limpo.

gesso-comum-andaimes

É importante destacar também que uma das características da obra do gesso convencional é a necessidade de andaimes de ferro ou cavaletes e tábuas, tudo isso por causa do detalhamento dos arremates das molduras e do próprio teto que tem que ser feito de maneira artesanal. Já no gesso acartonado, por não exigir muito detalhamento e arremates manuais, os trabalhos não demandam tanta estrutura de andaimes e tábuas, podendo muitas vezes, serem realizados com escadinhas. Ou seja, no gesso acartonado, quanto menos interferência com ferramentas, melhor fica o acabamento. É como um serviço de chapeação de automóvel, quanto menos massa e mais peças novas para serem trocadas, melhor o resultado final. No gesso convencional é o contrário, quanto mais desempenar e retocar, melhor vai ficar, salvo exceções.

Por fim, toda a obra possui sua particularidade que podem ser: orçamento limitado, reformas habitadas, cronograma apertado, estilo/ gosto do cliente entre outras coisas. Logo, todas essas variáveis, entre outras, deverão ser levadas em consideração na escolha entre as alternativas que o gesso oferece.

Loja em Porto Alegre-RS

Av. São Pedro, 233 - São Geraldo
90230-120 - Porto Alegre - RS
Orçamento pelo fone: (51) 3119-1221

Open chat
Precisa de ajuda?
Powered by